Há muitas razões pelas quais as mulheres escolhem dar à luz em casa ao invés de num hospital ou casa de partos. Aqui estão algumas que poderão conduzi-la à reflexão sobre se um parto em casa poderá ser a escolha certa para si e a sua família.

Nascimento – uma parte da vida de todos os dias
Embora dar à luz num hospital se tenha tornado a norma, a gravidez, o parto e o nascimento não são uma doença. De facto, foi apenas nos últimos 30 a 50 anos que as mulheres passaram a recorrer ao hospital para parir. Anteriormente, os bebés nasciam em casa.
Se abraçarmos o nascimento como uma continuação do ciclo reprodutivo, desde a menstruação ao momento de fazer amor, que envolvem hormonas e intimidade semelhantes, o lar apresenta-se como um cenário natural para o processo o nascimento se desenrolar. Um hospital é um ambiente focado em doenças e riscos, onde é mais provável que seja tratada como paciente.

baby-on-chest

foto

Controlo sobre o seu ambiente
Se o seu trabalho de parto decorrer em casa, você estará em controlo do seu meio circundante. Pode optar por permanecer no interior ou no exterior, alterar a iluminação, tocar ou ouvir música, alterar a disposição dos móveis, escolher em que divisão pretende estar, o que quer comer e beber e se deseja usar água ou uma piscina de parto. Você também pode decidir sobre quem entra no seu espaço e quando tal acontece. Essa liberdade de escolha permite que você crie o cenário que mais se adequa às suas necessidades no momento.
A sua casa também é mais familiar ao seu sistema imunológico, ao contrário de um hospital em que você e o seu bebé poderão estar expostos a bactérias e vírus que os seus organismos podem não ter enfrentado antes.

Onde você se sente segura
Muitas mulheres optam por parir em casa porque é onde se sentem mais seguras. Algumas pessoas não se sentem relaxadas e confortáveis ​​num ambiente hospitalar e só optariam por ir para lá numa situação de emergência.
Se você der à luz num lugar onde se sinta segura e protegida, é mais provável que o seu trabalho progrida sem problemas pois é mais fácil para o seu corpo produzir oxitocina, a hormona que ajuda o útero a se contrair de forma eficaz. Por outro lado, se você se sentir stressada ou sob observação, a adrenalina na corrente sanguínea pode retardar ou interromper o trabalho de parto.
Há um corpo crescente de pesquisas que sugerem que mulheres de baixo risco que dão à luz em casa têm maior probabilidade de ter um parto cómodo do que num ambiente hospitalar (1).
Destine um tempo durante a gravidez para reflectir sobre onde você se sente mais à vontade e faça a sua escolha do local de nascimento que mais atenda às suas necessidades.

9596291058_657af69c23_z

foto

Escolha do(s) cuidador(es) permanente(s)
Ao ter um parto em casa, você tem a opção de poder contar com uma parteira independente para ajudá-la ou para poder dar à luz sem um profissional médico. Escolhendo uma parteira privada, você pode construir um relacionamento de confiança com a pessoa que você seleccionar. Você pode relaxar sabendo quem vai acompanhá-la no parto e que não estará num ambiente desconhecido com pessoas que nunca conheceu antes.
Com uma parteira independente, você terá o mesmo cuidador durante toda a gravidez, trabalho de parto e pós-parto, com visitas que permitam tempo adequado para considerar quaisquer das suas necessidades ou preocupações pessoais. Pesquisas mostraram que mulheres que recebem cuidados continuados dos mesmos cuidadores têm menor probabilidade de apresentar complicações no nascimento (2).
Você terá tempo ao longo da gravidez para discutir as suas preferências para o parto e ter acesso às informações necessárias para tomar essas decisões importantes.
Você também pode escolher outros acompanhantes no parto em casa; o seu parceiro, um membro da família, um amigo ou uma doula podem estar lá para apoiá-la. Tenha em mente que, devido à natureza íntima dos parto e nascimento, um pequeno número de pessoas de confiança poderá ser tudo o que você precisa.

Menos intervenção
Em casa, você não está num ambiente médico, o que significa que é menos provável que se submeta a intervenções médicas ou controle do seu trabalho de parto, tais como indução ou manipulação com recurso a hormonas sintéticas. Você não receberá quaisquer medicamentos, embora possa optar por usar outras terapias ou técnicas para controlar as contracções. Tal aumenta a probabilidade de ter um parto fisiológico guiado pelo sistema natural de endorfinas e hormonas do seu corpo que a ajudarão a lidar com a intensidade crescente das sensações e contribuirão favoravelmente para o progresso do trabalho de parto.

Hospital como um back-up
Se, durante o parto domiciliar, surgir alguma complicação e você ou o seu bebé precisarem de assistência médica, você terá a opção de se deixar transferir para o hospital para receber tratamento especializado. Se a situação surgir, você e seu cuidador podem, se necessário, tomar a decisão de procurar esse tipo de auxílio.

6323920416_6443c99566_z

foto

Relaxe com o seu bebé
Quando você dá à luz em casa, não precisa de ir a lugar algum quando o seu bebé nascer. Você pode relaxar na sua própria cama com o seu parceiro e filhos e concentrar-se na vida com o novo membro da família sem a necessidade de mudar e se adaptar a um novo local. Você também pode escolher se ou com que frequência deseja receber visitantes durante esses primeiros dias.

Escolhendo o parto domiciliar
Como você pode ver, existem muitas razões pelas quais mulheres por todo o mundo estão a escolher trazer o nascimento de volta para casa. O parto domiciliar pode ser um evento positivo para a mãe, o bebé e toda a família, onde você tem o poder de tomar as decisões certas para si num lugar onde se sente à vontade com pessoas que conhece e confia.
Pode encontrar mais detalhes associados à escolha do parto em casa em Portugal na nossa secção de informações, como
O papel de uma parteira
O papel de uma doula
Organizações relacionadas com o parto em Portugal

Ou inspire-se ao comungar de histórias de nascimento e artigos no nosso blog.

Mais alguma pergunta? Entre em contacto.

(1) Perinatal and maternal outcomes by planned place of birth for healthy women with low risk pregnancies: the Birthplace in England national prospective cohort study
BMJ 2011; 343

(2) Sandall J SH, . Gates S,. Shennan A,. Devane D.,. Midwife-led continuity models versus other models of care for childbearing women. Cochrane Database of Systematic Reviews 2013(8):CD004667

…………………………….

There are many reasons why women choose to give birth at home instead of in a hospital or birthing centre. Here are some to get you thinking about whether a home birth might be the right choice for you and your family.

Birth – a part of every day life
Although giving birth in a hospital has become the norm, pregnancy, labour and birth are not an illness. Indeed, it is only in the last 30-50 years that women have been giving birth in hospital. Previously, babies were born at home.
If we welcome birth as a continuation of the reproductive cycle from menstruation and love-making, involving similar hormones and intimacy, home is a natural setting for the process to unfold. A hospital is an environment focussed on disease and risk where you are more likely to be treated as a patient.

Control over your environment
When you labour at home, you are in control of your surroundings. You can choose to be indoors or outside, change the lighting, play music, alter the lay out of the furniture, choose which room you want to be in, what you want to eat and drink and whether to use water or a designated birthing pool. You can also assert who enters your space and when. This freedom of choice empowers you to create the setting that most suits your needs at the time.
As well as these more obvious decisions, your home is more familiar to your immune system unlike a hospital in which you and your baby may be exposed to bacteria and viruses that your body may not have encountered before.

Where you feel safe
Many women choose to birth at home because it is where they feel safest. Some people do not feel relaxed and comfortable in a hospital environment and would only choose to go there in an emergency situation.
If you give birth in a place where you feel safe and secure, your labour is more likely to progress smoothly as it is easier for your body to produce oxytocin, the hormone that helps the womb to contract effectively. On the other hand, if you feel stressed or under observation, adrenaline in your bloodstream can slow or stop your labour.
There is a growing body of research that suggests that low-risk women who give birth at home are more likely to have a straightforward birth than in a hospital setting.1
Take time during your pregnancy to reflect on where you feel most at ease and make your choice of birthplace to suit your needs.

Choice of continuous caregiver/s
When having a home birth, you have the choice of an independent midwife to assist you, or to give birth without a medical professional. By choosing a private midwife, you are able to build a trusting relationship with the person you select. You can relax knowing that you know who is going to accompany you at the birth and that you will not be in an unfamiliar environment with people you have never met before.
With an independent midwife, you will have the same caregiver throughout pregnancy, labour and post-partum with visits that allow adequate time to go through any of your personal needs or concerns. Research has shown that women who receive continued care from the same caregivers are less likely to experience complications at birth.2
You will have time throughout the course of your pregnancy to discuss your preferences for the birth and to access the information you need to make these important decisions.
You can also choose who else accompanies you when you birth at home, your partner, family member/s, friend/s or doula can be there to support you. Bear in mind that due to the intimate nature of labour and birth, a small number of trusted individuals is all you need.

Less intervention
At home, you are not in a medicalised environment, which means that you are less likely to undergo medical interventions or management of your labour, such as induction or augmentation with synthetic hormones. You will not be offered drugs, although you may choose to use other therapies or techniques to manage the contractions. This increases your chance of having a physiological birth that is guided by your body’s in-built system of endorphins and hormones, which help you to cope with the increasing intensity of the sensations and aid the progress of labour.

Hospital as a back up
If, during your home birth, any complication arises and you or your baby need medical assistance, you have the option to transfer to hospital to receive specialised treatment. Should the situation arise, you and your caregiver/s can discuss the decision to transfer if necessary.

Relax with your baby
When you give birth at home, you don’t need to go anywhere once the baby is born. You can relax in your own bed, with your partner and children and focus on life with your new family member without the upheaval of needing to change and adjust to a new location. You can also choose whether or how often to have visitors during these early days.

Choosing home birth
As you can see, there are many reasons why women around the world are choosing to bring birth back home. Home birth can be a positive event for mother, baby and the whole family where you are empowered to make the decisions that are right for you in a place where you feel at ease with people you know and trust.
You can find more information about choosing home birth in Portugal in our information section such as
the role of a midwife
the role of a doula
birth-related organisations in Portugal
Or get inspired by birth stories and articles in our blog.

Any more questions? Get in touch.

1. Perinatal and maternal outcomes by planned place of birth for healthy women with low risk pregnancies: the Birthplace in England national prospective cohort study
BMJ 2011; 343

2. (Sandall J SH, . Gates S,. Shennan A,. Devane D.,. Midwife-led continuity models versus other models of care for childbearing women. Cochrane Database of Systematic Reviews 2013(8):CD004667)